O que é uma revista?

Que legal ver que o blog bombou. Um monte de gente está acessando e mandando sugestões. Muitas idéias legais chegaram e estamos empolgados, ainda mais porque é só o começo. Quero só fazer um comentário:

Recebemos muitas idéias de conteúdo – matérias que podemos fazer, seções etc. Mas pouca gente escreveu para ajudar a gente com conceitos: dar idéias de o que a nossa revista pode ser. Quando eu falo “revista”, vem a cabeça a imagem de um maço de folhas impressas grampeadas. Legal, tá certo, isso é uma revista. Mas será que a gente não devia reinventar a revista, repensar o básico? Revistas podem ser eletrônicas, digitais. Como eu escrevi em algum lugar, revista pode ser uma caixinha cheia de coisinhas legais que chega pelo correio.

Enfim, este post é para provocar vocês. Pode viajar nas suas idéias. Pode sugerir novos formatos, novos materiais, novas metodologias de trabalho, novas formas de fazer tudo. Vamos sonhar! Vamos inovar! Depois a realidade se impõe e a gente faz força para colocar o pé no chão, mas agora é o momento de não ter freios. Qualquer idéia é bem vinda!

Ah, sim, uma novidade: nossa viagem já tem data marcada. Dia 11, terça-feira, vamos para a estrada engolir poeira. Te vejo lá.

Anúncios

21 Responses to O que é uma revista?

  1. Marcos Assunção disse:

    uow esse post ai mexeu comigo…
    eu gosto de saber o que esta acontecendo por ai, principalmente se a noticia for tecnologia e ciencia…
    eu ja leio tres revistas todo mes, e tenho a impressao que com essa serao quatro rsrsrsrsrs
    eu penso que essa poderia ter um portal ou algo assim, com o qual nos leitores pudessemos interagir com a revista, e até mesmo escolher o que fosse publicado com enquetes… sei la
    vc pediu pra dar ideias 😛

    queremos algo novo, algo pra chamar de nosso… isso seria mto bom mesmo!

    bem to no trabalho agora e tenho que parar por aqui… mas fiquei com isso na cabeça…

    ate breve
    abraco a todos
    boa viagem pra vcs 😛

  2. Boa tard, adorei tudo, a idéia, o formato , tudo ! Farei minha primeira sugestão: vocês podem aumentar a idade do público alvo ? Gostaria muito de opinar neste secreto projeto. Comecei a blogar e nada de comentários, afinal o blog é a página de uma associação de bairros ( fadada ao fracasso, pois ninguém tá nem aí pro coletivo, né ), o outro também não rolou, fiz um blog da creche ( terei que esperar as crianças crescerem para comentarem ) e finalmente o blog do Programa Petrobras Jovem Aprendiz, que está quase morto, enfim…Acho que a revista revestiria estes formatos…Boa sorte ! 42 anos é muito ?

  3. Denis Russo Burgierman disse:

    Fábio, você é super bem vindo aqui!!!

  4. Douglas disse:

    Que tal a primeira revista do Brasil com alguma parte em papel digital… não seria algo inovador, pois seria o mesmo conceito numa nova roupagem, mas seria diferente, e inédito por aqui.
    E aposto que vosês fariam um uso muito mais interessante desse recurso do que a esquire.
    E que tal uma revista mais barata do que a super! Meu salário não é tão alto!

  5. João disse:

    no primeiro número poderia ter mais paginas “digitais” do que aquela revista americana!

  6. Carlos disse:

    Bem, se é para viajar nas idéias, então vamos lá…
    Que tal uma revista escrita por jovens no papel de repórteres, porém , que morem no exterior? Recrutar pessoas de 20 a 30 anos , boas de escritas, jornalistas se possível, que estejam morando em Nova York, Bagdá, Tóquio, Bali, Chile, Amsterdã, índia, Finlãndia? Eles escrevem de lá. Assuntos com enfoque internacional in loco.
    Assim como foi feita aquela matéria da Super sobre trabalhar no Japão, com o repórter vivendo a experiência.
    Uma revista com um espírito “mochileiro de ser”, mas sem ser sobre turismo.
    Projeto gráfico tem que ser também cosmopolita.
    Acho que seria algo diferente. Sei lá, viajei agora…

  7. Marcelo disse:

    Já que é para viajar:

    Já que está cada vez mais barato e disseminado pen-drives a revista poderia ser totalmente digital e distribuida através de pen-drives em bancas. Um pen drive de 512 Mb pode ter um vasto conteúdo e em grande escala custa bem abaixo de 20 reais. É um jeito diferente, interessante e prático de distribuir uma revista literalmente “eletrõnica”.

    Um abraço

  8. Denis Russo Burgierman disse:

    Verdade, Marcelo
    É uma idéia bem legal. Por outro lado, se a revista for digital, por que não disponibilizá-la na internet em vez de produzir pen drives. Assim diminuiríamos o impacto ambiental. Não acha?
    abs

  9. Denis Russo Burgierman disse:

    Carlos,
    Eu acho que isso é uma grande idéia. A questão é encontrar esses jovens talentosos espalhados pelo mundo. Aposto que eles existem.
    abs

  10. Douglas disse:

    Mas não é preciso procurar esses jovens, é só mandar jornalistas da revista, como foi feito naquela matéria citada.

  11. Stefano disse:

    Ótima idéia essa dos Carlos.
    Oh the road — Pé na estrada!

  12. Stefano disse:

    Era “On the road” … hehe

  13. Daniel disse:

    Boa viagem!!

  14. kio. disse:

    Para começar acho que a revista não deve ter edição/numeração/ordem… nem ser distribuida/disponibilizada num formato fixo!

    O conteúdo é um todo que deve existe para sempre… portanto, acho que deva ser unicamente digital.

    O conteúdo pode ser algo interativo. Onde o leitor pode participar. Exemplo: O jornalista Fulano publica um artigo sobre “Caminhos Andinos”. O leitor tem a possibilidade de agregar informações. Enviar fotos se já esteve nos lugares citados, indicar outros artigos. De tal forma que o Artigo do Fulano não seja prejudicado/modificado e nem a contribuição do leitor seja prostituída como um “post de blog”.

  15. kio. disse:

    Totalmente multilingue

    Certamente há centenas de pessoas estudando diversos idiomas que, pelo bel prazer do aprendizado, traduziriam textos que julguem interessante (ou não).

    E seria uma experiência interessante ver o texto de um “simples usuário”, que escreveu sobre algo somente para compartilhar com o mundo, traduzido para grego, francês, italiano…

    Atualmente posso contribuir com apenas inglês e espanhol! =D

  16. Rodrigues Vergueira disse:

    Denito, como vc sabe, acho que o momento é para a horizontalidade, a maior possível. E não consigo imaginar maior horizontalidade que uma comunidade. E por que não uma comunidade editorial? Uma comunidade que sugere, apura, escreve, edita e lê? Que tem e desenvolve critérios editoriais, para tornar mais fácil para essa mesma comunidade achar o que quer e com a qualidade que quer. E que remunera, de alguma maneira, essas colaborações, seja pela troca de informações, seja por dinheiro, mesmo. E que mobiliza, gera ações.
    Porque se tem uma coisa frustrante no jornalismo é ficar batendo bumbo e nada mudar. Na comunidade, o resultado podem ser ações de fato. E ações podem ser patrocinadas por empresas. QUe podem ser contatadas pelos integrantes da comunidade (ou não).
    Como vc sabe, o público alvo anda cada vez mais arisco, e o dinheiro da publicidade virá dos inúmeros pequenos projetos que morderão uma graninha aqui, outra ali. O horário nobre está perdendo importância. Pequenos projetos, com pequenos patrocínios, mas que no montante dão um bom caldo. Acho que as comunidades são uma saída para essa equação.
    Abraço e boa viagem

  17. Denis Russo Burgierman disse:

    Legal pra caceta, Rodrigues. Complexo de montar, mas bem legal….

  18. William Gomes disse:

    Para que uma revista seja inovadora não precisa mudar sua forma e sim seu conteúdo.

    Por mim:
    -cada página (ou mais) de um redator deveria ter um layout diferente usando margens, bordas, fontes, cores, imagens etc. Cada um teria seu espaço personalizado.
    -páginas horizontais. Folhear as páginas no sentido horizontal, no caso, de baixo pra cima e não da direita para a esquerda.
    -uma revista feita de concepções, seja sobre um texto, uma imagem, um som, um vídeo etc. – todos os tipos de arte ligados a um tema só. Várias pessoas comentando sobre a mesma coisa com concepções diferentes.

    Queria muito muito fazer parte de algo aí.
    Valeu!

  19. João Pedro Otoni disse:

    Acho que deveria manter o formato externo de uma revista, mas mudar totalmente o interior
    Concordo com a idéia do William de cada pagina ser diferente da outra e as paginas horizontais.
    E acho que para entrar na onda ecológica vocês deviam usar papel reciclado nas folhas da revista.
    E promover uma maior interatividade através musicas, fotos, vídeos e sites na internet.
    Na capa vocês poderiam manter apenas a logomarca da revista, mudando todo o resto em cada edição.
    Acho que o mais importante é a interatividade com o público. Seria muito legal poder participar, de alguma forma, de cada edição da revista. Ver sua própria “voz” em uma revista nacional empolgaria os jovens a ler.

    Até!

  20. Lúcio Borges disse:

    Olá..
    Fico muito empolgado quando vejo projetos assim,
    porque tenho 18 anos, e sou repórter desde os 14..
    Nasci em uma família de jornalistas, e aos 14 fazia
    inúmeras reportagens policiais pro jornal do meu Pai..

    É uma idéia maravilhosa,
    e me coloco à disposição ao que for necessário,
    na parte de redação / fotografia / elaboração de matérias.

    Seria legal um repórter bem jovem participando do projeto.

    Abraços
    Lúcio

  21. Denis Russo Burgierman disse:

    Valeu, Lúcio. Trabalho ainda não temos, estamos no momento de conceituar, não de executar. Mas idéias são muito benvindas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: