40 anos de Shonen Jump

Todo mundo sabe que HQs – no celular, no iPod, no iPhone, na web e no bom e velho papel – são uma obsessão japonesa. E a verdade é que, até mesmo no Japão, nenhuma outra mídia conseguiu (ainda) substituir as revistas de antologia e os mangás em volumes encadernados.

A Weekly Shonen Jump, que completou 40 anos este ano, é a revista-mix mais famosa por lá, e é bem provável que seja a maior e mais importante publicação de quadrinhos do mundo. No seu auge, nos anos 90, a revista chegou a ter uma tiragem de 6 milhões de exemplares. Não, sério mesmo.

Antologias são a base do mercado de mangás no Japão. A maioria deles primeiro é serializada em pequenos capítulos semanais em publicações como a Shonen Jump, e só depois ganham versões encadernadas como as que saem no Brasil. Atualmente a Jump tem 20 títulos diferentes, incluindo alguns favoritos do ocidente, como One Piece, Bleach e Naruto. Séries históricas como Dragon Ball, Cavaleiros do Zodíaco, Samurai X e Slam Dunk já passaram pelas páginas da Jump, que até hoje mantém a espessura de uma lista telefônica, as páginas P&B em papel jornal e o custo-benefício absolutamente sem comparação.

Hoje a circulação da Jump está perto dos 3 milhões, bem menos do que em sua época áurea. Em 2002, a revista ganhou uma versão para o mercado norte-americano, lançada com enorme sucesso e que hoje mantém uma circulação cerca de 215 mil exemplares.

Mas por que diabos eu to falando de antologias de mangá aqui? Bom. Tem um bom motivo, e não é só o fato de que um dos meus sonhos secretos sempre foi editar uma versão brasileira da Jump, já que não tem nada parecido com mangá por aqui (pouco pretensioso). O formato de antologia não é estranho para o mercado brasileiro, vide a Pixel Magazine (que infelizmente pode estar com os dias contados) e a finada revista Vertigo, um dos títulos mais legais e admirados pelos fãs de HQs, que a própria Abril lançou por aqui nos anos 90 (a Abril já foi cool!).

Entre os indies, então, antologias são quase regra. Algumas dos melhores artistas nacionais publicam na Front, na Jukebox, na Graffiti e na Ragú, cujo QG nós visitamos lá em Recife. Mas as antologias brasileiras dificilmente trazem histórias serializadas, até porque a periodicidade (bimestral, trimestral, publica quando dá) não permite.

A pergunta, afinal, é a seguinte: será que uma revista mensal de grande circulação, como a que nós do Projeto Secreto queremos criar, poderia abrir espaço para quadrinhos serializados e, guardadas as proporções, assumir o papel de uma mini-Shonen Jump brasileira?

Anúncios

15 Responses to 40 anos de Shonen Jump

  1. Flausino, L disse:

    Caramba, André [rola bronca chamar pelo 1º nome]!

    Eu acho que seria uma boa, mas ponderando a questão do custo. Como consumidor bissexto de mangá, não faço muita questão de como a história é impressa [falo p&b no papel jornal], mas sim pelo custo. Hoje, tu paga R$ 9,90 num mangazinho – tipo, umas 90 páginas.
    Tenho amigos que por gostarem de mangás, compram as coleções, mas com aquela dor no bolso, por ter que conciliar a fantasia, o hobby, com a realidade do preço.

    Se houvesse, algo como essa revista, sei lá umas 200 páginas a R$10,00 [não imagino questão de impressão e como se reflete no custo final, penso como poderia ser uma revista atraente pra eu poder comprar], com periodicidade mensal, talvez houvesse um aumento de compradores, bem como um incremento de pessoas, que gostam de mangá, mas que acompanham ou baixam da net, seus mangás preferidos.
    Abraços

  2. Paulo disse:

    Então…

    Publicar a Jump aqui com a grande quantidade de leitores de mangá hoje em dia, acho que rolaria.

    Já uma “Jump” com HQ Brasileira, hummm…
    Talvez com uma linha editorial bem estabelecida como a da Jump.
    Com historias de apelo pop (não bobas). Uma campanha de mkt pesada.
    E sorte, muita sorte.

    Mesmo assim é complicado, mas possível.

  3. Flausino, L disse:

    Eu concordo com o Paulo.

    Uma campanha de marketing, que enfatizasse encontrar todos os mangás queridos num lugar só.

    Eu acho que seria uma boa dar vazão a conteúdo brasileiro, primeiro, com autores conhecidos e consagrados, depois poderiam realizar-se concursos, “Tenha sua história publicada na ‘JUMP Brasileira!'”, para dar vazão a criação crecscente de pessoas em lugares distantes, que não tem acesso a grandes editoras (poder de distribuição equvalente à internet).

    Agora, Paulo, esse “hummm…” é de quem acha que daria certo, ou não?
    Abraços,

    Lucio Flausino

  4. Paulo disse:

    Opá!

    Então Flausino.
    A jump japa publicada aqui acho que conseguiria se alicerçar. Até com menos paginas do que a japa. Três anos de publicação garantida independente das vendas poderia criar a cultura.
    E claro uma campanha de mkt constante e certeira.
    Agora uma “Jump” com material nacional é mais complicado ao meu ver, pois o lance da cultura de HQ, comics, é muito restrita e de nicho por aqui.
    Mas acho que com uma linha editorial bem definida, mkt pesado e constante, concurso para achar novos talentos, e tempo para alicerçar publico, poderia dar bons frutos.
    Mas são apenas especulações ou talvez devagações.
    Não é uma ciência exata infelizmente hehehe…
    por isso o hummm…
    Abraços

  5. Renato disse:

    Faltou em mangás históricos… Yu-Gi-Oh!…..

  6. Sabrina disse:

    Bem, isso tudo eu já sabia. Inclusive quando eu vi a primeira Shounen Junp ao vivo nas minhas mãos, meus cabelos se arrepiaram! Por que ninguém no Brasil se interessou em utilizar uma publicação como esta? Me pareceu uma coisa tão obvia! O custo beneficio é anos-luz menor do que o das atuais publicações de mangás extrangeiros. Eu mesma fico me estressando para conseguir os ultimos capitulos na net de meus mangás favoritos, o que acredito milhares de fãs brasileiros fazem, então, presumo, deve existir um público para este tipo de publicação. O que as editoras nacionais estão esperando para começarem a explorar uma publicação como esta?
    O medo de invadir um mercado desconhecido e o pré conceito que se tem da cultura inconstante do brasileiro inviabilizam as tentativas de explorar esse nicho.
    Faço parte de um grupo de mangakás (é o jeito que costumamos nos chamar, depois que iniciamos um projeto ano passado, para produzir nossos próprios mangás), e nós, achamos possível criar esse tipo de publicação. O publico que gosta de quadrinhos cresceu muito, e como um dos comentaristas acima disse, nao achamos impossivel que existam pessoas que pagariam 10 reais por uma publicação assim. Acho que a gente precisa arriscar, e mostrar essas idéias… é o que vamos fazer num futuro proximo…por que esse “é o nosso jeito ninja”, valeu…!

  7. Rubens disse:

    Quando começarão a pulicar a Jump aqui? Também desenho mangá e queria muito me inscrever no concurso (sem ter que ir pro Japão).
    Aonde vão começar a publicar primeiro?

  8. Rubens disse:

    Deixa eu perguntar:

    Vocês vão fazer uma revista IGUAL ao da Shonen aqui no Brasil ou vão REPRESENTAR a Shueisha aqui?

  9. Oi Rubens, não vamos fazer nenhum dos dois, esse é só um post sobre como seria legal se alguém fizesse

  10. Rubens disse:

    Affe….. –‘
    Tudo bem…. Entendi errado…
    Vou continuar procurando…
    Obrigado peça paciênica.

  11. davi disse:

    Minha lista preferida de mangás ou animes é: 1ºdragon ball, 2° one pice 3º naruto 4ºgintama 5ºshaman king
    6ºyugi-oh e etc……………………………

  12. Hatake Kakashi disse:

    Tive uma ideia parecida.
    E já estou colocando em prática.

  13. juan gabriel disse:

    adorei a idea da mini jump se pudesse ajudaria

  14. renan disse:

    ei eu desenho manga sou um aprendiz e apoio a sua iniativa muito massa eu gostaria muito de ajudar
    para q no futuro existam novas profissoes inovadoras
    e uma pena eu muito pra um aprendiz meu professor disse
    apesar de eu so ter 13 anos e ja tenho uma historia e uma parceria com meu amigo para fazer mangas mas e muito dificiu materiais[etc..]eu ja fiz 3 esboços do episodio 1 da minha serie mas nao conseguimos fazer
    pequenas coisas no pc pq tb nao temos tempo
    MAS SE PRESIZAR DE AJUDA ME CHAMA PELO EMAIL..FLW PESSOAU

  15. KAI disse:

    se tivesse um jump no brasil eu publicava meu proprio manga!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: