Aula

20 novembro, 2008

Ontem fui convidado para conversar com os alunos de uma faculdade de jornalismo. Só que a faculdade era em Chicago, nos Estados Unidos. Falei via Skype por uma hora com a classe do professor Dan Sinker, que ensina “jornalismo visionário” e queria que eu contasse sobre este nosso projeto aqui. Foi bem legal – quase como estar realmente presente na aula, todo mundo me viu e ouviu bem, eu pude ver e ouvir todo mundo.

Incrível o potencial da tecnologia em operar mudanças verdadeiras nas possibilidades de conexão entre as pessoas.


Universo desconhecido

13 novembro, 2008

Tem coisas acontecendo no Brasil que minha vã filosofia mal suspeitava. Pegue por exemplo a Hoplon, empresa brazuca que faz o Taikodom, um videogame massivo online de ficção científica. Começou numa salinha acanhada numa incubadora de empresas de tecnologia no alto de um morro com vista para o mar lindo de Floripa. Se espalhou pelos andares do prédio e hoje ocupa 5 salas onde 110 pessoas trabalham feito loucas para conceber, construir e gerenciar um universo virtual onde milhares de jogadores pelo mundo passam seu tempo.

floripa2_23

Taikodom é um empreendimento gigante, ousado, bancado por capital de risco de um investidor e movido a talento jovem e nerd (bonequinhos do Poderoso Thor e do ET e um tabuleiro de Dungeons e Dragons dividem o espaço nas prateleiras com livros técnicos complicadíssimos). Passeamos por lá hoje, boqueabertos. Estava todo mundo ocupado prá caramba construindo um universo, então não deu para batermos longos papos, mas trocamos idéia com muita gente. Todos pareciam orgulhosíssimos de fazer o maior game do Brasil e felicíssimos de passar suas vidas profissionais naquele ambiente onde se pode trabalhar sem sapatos e de bermudas.

floripa2_19

O Murilo, por exemplo, que trabalha na TI, disse que adora o emprego. Eu perguntei se, no fundo, trabalhar na TI de um game não é a mesma coisa do que na TI de uma empresa. É, ele admitiu. Mas, por outro lado, não é. Ele trocou o emprego numa firma por esse, para ganhar a mesma coisa, e tem certeza de que fez bom negócio. “Aqui só se usa camisa de botão na entrevista de emprego”, disse. Essa informalidade, essa diversão, essa paixão vale mais que o salário para ele. E contar para os amigos que se trabalha no Taikodom tem um valor que o dinheiro não paga.

Demais. Senti que eu estava descobrindo um outro universo, que eu nem sabia que existia no Brasil. E confirmei a hipótese que se desenhou ontem com os estudantes de jornalismo com quem conversamos: para cada vez mais gente, realização profissional se mede pela sensação de fazer parte de algo incrível, e não pelo salário.

Precisamos entender isso se queremos fazer uma revista relevante para essa geração.


Ah, a tecnologia

11 novembro, 2008

Muito legal viver neste mundo conectado. Pena que nada funcione…

O aparelhinho da Vivo para conectar nossos computadores à internet via sinal de celular: funciona mais ou menos como internet discada. Só que é mais caro.

O GPS do nosso Vectra: até funciona direitinho em São Paulo. Florianópolis? O aparelhinho simplesmente não conhece a cidade. Uma hora ela (a voz é de mulher) sugeriu que eu virasse à direita. Só que não havia rua nenhuma à direita, só um morro coberto de mato.

O aparelhinho genérico que compramos para transmitir a música dos nossos IPods ao rádio do carro: cheio de interferência. Mas, dos três, é o que funcionou melhor…


Esses caras elegeram Obama?

9 novembro, 2008

chrishughes2

Bom, no mínimo eles ajudaram bastante.

Chris Hughes (em pé) tem 24 anos e é co-fundador do Facebook. Joe Rospars também fundou pelo menos uma empresa pontocom e foi assessor do pré-candidato Howard Dean em 2004. Os dois são os responsáveis por coordenar a campanha online do Obama.

Detalhes no blog do Tiago Dória.